terça-feira, 28 de abril de 2009

Ciúmes por Chico Buarque em Leite Derramado

Não é segredo pra ninguém que sou completamente apaixonada pelo Chico Buarque - lamento muito não ser a única - e que devoro o máximo possível suas composições. Adoro muito, não acho que suas letras são machistas e nem que tem a voz feia. rsrs... Sou fãzona mesmo...

Chico compõe canções fantásticas que relatam situações cotidianas. E tem mostrado ter esse mesmo talento para a literatura. Estou lendo seu último livro, que foi lançado no início deste mês, Leite Derramado. O romance é o relato, em primeira pessoa, da vida de um velho que está internado num hospital e vai relembrando suas histórias. Em resumo é isso...

Bom, recomendo o livro e deixo aqui um trecho em que ele retrata o ciúmes:

[...] Com o tempo aprendi que o ciúme é um sentimento pra proclamar de peito aberto, no instante mesmo de sua origem. Porque ao nascer, ele é realmente um sentimento cortês, deve ser logo oferecido à mulher como uma rosa. Senão, no instante seguinte ele se fecha em repolho, e dentro dele todo mal fermenta. O ciúme é então a espécie mais introvertida das invejas, e mordendo-se todo, põe nos outros a culpa da sua feiura. Sabendo-se desprezível, apresenta-se com nomes supostos, e como exemplo cito a minha pobre avó, que conhecia seu ciúme como reumatismo [...]

Leite Derramado - Chico Buarque Editora Companhia da Letras.
Paguei 36 conto, acho que é tabelado.

Coisas que pareceriam óbvias até pra uma criança...

Por que adulto complica tanto, hein???

Parece que a cada ano de vida ganho perde-se a capacidade de simplificar a vida.

Será culpa das equações de álgebra que somos obrigados a resolver na escola? rs

sábado, 25 de abril de 2009

Educação pública e de qualidade = direito de todos!!!!

Nos últimos dias participei de um seminário promovido pela Fundação Mauricio Grabois, "Os desafios da Construção do Sistema Nacional de Educação". O centro do debate foi o documento-base que vai nortear a Conferência Nacional de Educação, chamada pelo governo federal.

É fundamental ressaltar dois pontos:
1. A vitória que significa a realização dessa Conferência. Um espaço inédito de debates, reflexões, troca de conhecimentos com a participação da União, dos Estados, Municípios e a sociedade civil como organizadores e participantes. Portanto um espaço democrático e que deve ter como resultado a elaboração de um plano, construindo um Sistema Nacional de Educação;
2. O quão tardiamente foi chamada a Conferência Nacional de Educação. Isso pode prejudicar a batalha que será para garantir a implementação do que for deliberado na Conferência.

Buenas, mas o que quero ressaltar aqui é a importância da participação da sociedade nas etapas da Conferência de Educação. Não estou falando de entidades, partidos políticos e ONGs. Entendo que esses setores já estão bastante envolvidos e vão paticipar. Mas acredito ser fundamental o envolvimento de estudantes, professores, funcionários da escola e pais de alunos.

Hoje muitos querem dar um pitaco sobre os problemas que envolvem a educação. Alguns sem nenhuma responsabilidade, sem conhecimento real da situação, querem apenas achar culpados e tratam o assunto de maneira simplista. Como alguns jornalistas ongueiros, por exemplo. Precisamos elevar o debate, e garantir uma intensa participação da população. Pessoas que veem na escola pública a única esperança de acesso ao conhecimento e que sofrem na pele a falta de investimento e a educação de péssima qualidade.

A educação é estratégica, não tenho dúvidas que setores conservadores e empresários participarão da conferência querendo impor e aprovar uma concepção de educação que serve para a manuntenção desse sistema e dessa sociedade cruel e desigual. Onde poucos concentram uma enorme renda enquanto muitos apenas sobrevivem sem condições mínimas.
Precisamos garantir que a educação seja um instrumento para construção de uma nova sociedade e um novo indivíduo, para a transformação social e não para a manutenção das desigualdades.

Não podemos esperar que essas mudanças acontecerão sem intensas batalhas, sem pressão da sociedade. Precisamos organizar de fato a sociedade para conquistarmos avanços significativos na questão educacional de nosso país. É urgente e precisamos utilizar o espaço da Confêrencia Nacional de Educação para garantir as mudanças necessárias, aproveitemos!!!!

Ah, só para constar, o governo do Estado de São Paulo está sinalizando que não vai participar da conferência. O que, na minha opinião, cristaliza ainda mais o seu caráter antidemocrático. Lamentável...

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Vale muito a pena conhecer...

"Conheci" Luis Tatit por muita sorte. Uma amiga achou uma música dele (Sofia) a cara da Malu e me presenteou com um cd. De primeira adorei o cd inteirinho, músicas encantadoras, engraçadas. Uma sensibilidade que me deixou impressionada.
Em especial "A companheira".
Hoje quando voltava do trabalho botei o cd e mais uma vez me deliciei com o doce relato do que pode e deve ser uma relação de verdadeiro companheirismo.
Quis registrar aqui um trecho que mais gosto:
"De repente a vida ganhou sentido
Companheira assim nunca tinha tido
O que fica sempre é uma coisa estranha
É companheiro que não acompanha
Isso pra mim é felicidade
Achar alguém assim na cidade
Como uma letra pra melodia
Fica do lado, faz companhia
Pensava nisso quando ela ali
No portão da frente
Me viu pensando, quis pensar junto
"pensar é um ato tão particular do indivíduo"
E ela, na hora "particular, é? duvido"
E como de fato eu não tinha lá muita certeza
Entrei na dela, senti firmeza
Eu pensava até um ponto
Ela entrava sem confronto
Eu fazia o contraponto
E pronto..."
Bom, o CD se chama Felicidade- Luis Tatit. Ouçam, vale muito...

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Pensando sobre o Amor by Camões

Bom, já deu pra notar que venho pensando muito nesse "assunto": AMOR!!!

Vale a pena um pouco de Camões pra ajudar nessa empreitada...


Busque Amor novas artes, novo engenho
para matar-me, e novas esquivanças;
que não pode tirar-me as esperanças,
que mal me tirará o que não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes, nem mudanças,
andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, conquanto não pode haver desgosto
onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal que mata e não se vê.

Que dias há que na alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como e dói não sei porquê.



domingo, 19 de abril de 2009

Não solidão, hoje não...

Um dos meus maiores medos e ao mesmo tempo um grande exercício de aprendizado: a solidão!!!!
Preciso aprender a ser só???
Não que eu seja uma pessoa solitária. Pelo contrário!!! Sou um ser social mas sei bem que tem horas que é preciso ficar só, tem coisas que só nós podemos resolver. Busco sempre me fortalecer...

Adoro Paulo Sergio Pinheiro e essa música sempre me faz bem...


Eu sozinho sou mais forte
Minh'alma mais atrevida
Não fujo nunca da vida
Nem tenho medo da morte

Eu sozinho de verdade
Encontro em mim minha essência
Não faço caso de ausência
E nem me incomoda a saudade

Eu sozinho em estado bruto
Sou força que principia
Sou gerador de energia
De mim mesmo absoluto

Eu sozinho sou imenso
Não meço nunca o meu passo
Não penso nunca o que faço
E faço tudo o que penso

Eu sozinho sou a Esfinge
Pousado no meio do deserto
Que finge que sabe o que é certo
E sabe que é certo que finge

Eu sozinho sou sereno
E diante da imensidão
De toda essa solidão
O mundo fica pequeno

Eu sozinho em meu caminho
Sou eu, sou todos, sou tudo
E isso sem ter contudo
Jamais ficado sozinho

(Solidão)

sábado, 18 de abril de 2009

Uma reflexão viniciana...

"Há, de um modo geral, uma acentuada tendência para se beber" (Vinicius de Moraes)

Grande Vinicius de Moraes, excelente reflexão...

Eu costumo dizer quem tem no mundo umas 10 pessoas que amo e confio não importando o que elas façam.

Tirando essas criaturas especiais, vou gostar e confiar sempre em quem toma um qualquer coisa (como diria um grande amigo, Marcos Macario).

Mas ó, não esqueça da orientação do rótulo. Beba com Moderação!!! rsrs...

Um pouco de Vinicius

Eu te amo, Maria, eu te amo tanto
Que o meu peito me dói como em doença
E quanto mais me seja a dor intensa
Mais cresce na minha alma teu encanto.

Como a criança que vagueia o canto
Ante o mistério da amplidão suspensa
Meu coração é um vago de acalanto
Berçando versos de saudade imensa.

Não é maior o coração que a alma
Nem melhor a presença que a saudade
Só te amar é divino, e sentir calma...

E é uma calma tão feita de humildade
Que tão mais te soubesse pertencida
Menos seria eterno em tua vida.

(Soneto de Contrição)

sexta-feira, 17 de abril de 2009

América Latina x Neoliberalismo

Ontem participei de um debate excelente promovido pelo portal Vermelho "Os caminhos da esquerda na América Latina". Um dos debatedores, foi o professor Emir Sader. Fiquei muito atenta a sua fala, já que é um grande articulador com as palavras e um excelente estudioso, um intelectual da esquerda brasileira.

Mas uma coisa, em especial, chamou muito minha atenção; as informações por ele passada sobre as articulações políticas entre países da América Latina e o enfrentamento desses ao neoliberalismo. "O país dá o quem tem e recebe o que precisa", foi essa frase que Emir utilizou para caracterizar as relações da Venezuela e Cuba. No caso, Cuba disponibiliza sua excelente saúde pública e a Venezuela o petroléo. Citou outros exemplos dessa parceria, incluindo a Bolivia.

Bom, desse entrosamento latino-americano eu já sabia e venho acompanhando com entusiasmo. O que me surpreende é notar como essas informações não são divulgadas na grande mídia. Seria fundamental uma cobertura decente por parte da mídia brasileira. Assim o povo teria noção do tamanho da sua força.
Pois bem, podem me chamar de ingênua. Mas não é esse o caso, sei que divulgar certas notícias vai contra os interesses da classe dominante e que nossa mídia representa esses interesses.
Mas e o plano B? Precisamos criar mecanismos de socializar essas informações. Infelizmente os espaços alternativos de acesso à informação não são de massa. E debates privilegiados, como o que participei ontem, não conseguem atingir um grande números de pessoas.
A tarefa é criar esses espaços: blogs, e-mails, sites, cartas, bate-papo no trabalho, no boteco, na escola, telepatia, etc. rsrs...
Enfim, fortalecer nossa luta demosntrando na prática que podemos mudar esse sistema e que temos muita força. A palavra é resistir e buscar alternativas!!!!

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Sampa

Como bem disse Rita Lee: ... o frio de São Paulo me faz traspirar...
Eu acrescentaria mais, me faz suspirar, adorar, admirar, acreditar, gostar cada dia mais!!!!

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Mais essa...

Depois de jornalão cheio de erros, de apostilas para o professor dar aulas, diminuição das aulas de história e geografia, provinha mal feita para professores temporários, material didático para os alunos distribuido com erros gritantes, assinatura da revista Nova Escola (Abril - Fundação Vitor Civita) sem licitação pública para todos os professores da rede estadual. (Como dizem por aí: Olha o golpeeee...)
Agora temos que aguentar Paulo Renato falando suas baboseiras com aquela cara de dono da verdade. E mais uma vez a mídia aplaude...
Sabe que temo sentir saudade da tresloucada Maria Helena. O projeto é o mesmo, não tenho dúvidas. Mas esse Paulo Renato me irrita um tanto mais...

terça-feira, 14 de abril de 2009

A infância...

É senso comum que é uma das melhores fases de nossa vida. Eu acho que é a melhor!!! É neste momento que aprendemos tudo com muita facilidade e que levaremos pra o resto da vida.
É nessa fase que a energia é sempre 100%, parece que a pilha recarrega automaticamente.
Medos??? Só de bicho papão (e são logo superados, com um simples abraço). Confiança?? Sempre e em tudo que nos dizem. Fantasias, inocência, super-heróis... Nossa, e como se tem heróis nessa fase...
Sabe, percebo isso muitas vezes quando minha filha me olha e parece que sou pra ela mais forte do que a mulher-maravilha. rsrs...
Admiro muito as tradições indígenas, em especial, a atitude de agachar para falar com as crianças, sinal de respeito e igualdade, ficando adultos e crianças na mesma altura.
Pelo nome deste blog já deu pra notar que carrego uma enorme criança em mim. E pretendo levar isso pra sempre.
Digo tudo isso para ressaltar que o respeito à criança passa por uma educação de qualidade, por uma família bem estrutrada, por uma alimentação adequada, pelo direito de brincar, por ter acesso a cultura.
Bom, tenho tido experiências bem tristes, um grande desrespeito com nossas crianças. Que tem uma vida inteira pela frente e lhe é tirado desde cedo direitos. Escolas que mais parecem depósitos de crianças, saúde pública terrível, parques cada vez mais escassos e sem uma estrutura mínima, pais que tem cada vez menos tempo. Me deparando com essa realidade, uma questão martela em minha cabeça: Qual será o futuro de um país que não trata suas crianças com respeito e dignidade?

Feliz...

O sol acaba de sair, ou você sorriu pra mim?

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Lula é o cara...


Pois é, quem disse foi o Obama. Muitos jornais trataram essa declaração como uma grande novidade. Como se não soubessemos...

Tenho anseios que vão além do que foi feito nesses quase 8 anos de mandato. Mas é inegável que Lula é o cara, ele é a cara do nosso Brasil. E já faz tempo que os brasileiros notaram isso. Lula é um grande líder, que luta pelo seu povo e defende os interesses do Brasil. E não foi ncessário o Obama dizer isso pra que o povo notasse, já essa grande mídia vendida tomou um grande susto com as palavras de Obama e teve que engolir mais essa.
A charge é de Paixão e foi publicada no www.vermelho.org.br em 07 de abril de 2009

Começando a semana


O friozinho torna essa segunda-feira mais braba ainda. Pra aquecer meu coração resolvi reler uma poesia de Oliverio Girondo que dedico a minha Maria Luísa.


¡María Luisa era una verdadera pluma! Desde el amanecer volaba del dormitorio a la cocina, volaba del comedor a la despensa. Volando me preparaba el baño, la camisa. Volando realizaba sus compras, sus quehaceres... ¡Con qué impaciencia yo esperaba que volviese, volando, de algún paseo por los alrededores! Allí lejos, perdido entre las nubes, un puntito rosado. "¡María Luisa! ¡María Luisa!"... y a los pocos segundos, ya me abrazaba con sus piernas de pluma, para llevarme, volando, a cualquier parte.

domingo, 12 de abril de 2009

Mortalidade do Amor

Sabe, ultimamente estou pensando muito sobre o AMOR. O texto do Alexandre Inagaki faz uma bela reflexão sobre...

Pequeno tratado sobre a mortalidade do amor
Todos os dias morre um amor. Quase nunca percebemos, mas todos os dias morre um amor. Às vezes de forma lenta e gradativa, quase indolor, após anos e anos de rotina. Às vezes melodramaticamente, como nas piores novelas mexicanas, com direito a bate-bocas vexaminosos, capazes de acordar o mais surdo dos vizinhos. Morre em uma cama de motel ou em frente à televisão de domingo. Morre sem beijo antes de dormir, sem mãos dadas, sem olhares compreensivos, com gosto de lágrima nos lábios. Morre depois de telefonemas cada vez mais espaçados, cartas cada vez mais concisas, beijos que esfriam aos poucos. Morre da mais completa e letal inanição.
Todos os dias morre um amor. Às vezes com uma explosão, quase sempre com um suspiro. Todos os dias morre um amor, embora nós, românticos mais na teoria do que na prática, relutemos em admitir. Porque nada é mais dolorido do que a constatação de um fracasso. De saber que, mais uma vez, um amor morreu. Porque, por mais que não queiramos aprender, a vida sempre nos ensina alguma coisa. E esta é a lição: amores morrem.
Todos os dias um amor é assassinado. Com a adaga do tédio, a cicuta da indiferença, a forca do escárnio, a metralhadora da traição. A sacola de presentes devolvidos, os ponteiros tiquetaqueando no relógio, o silêncio ensurdecedor depois de uma discussão: todo crime deixa evidências.
Todos nós fomos assassinos um dia. Há aqueles que, feito Lee Harvey Oswald, se refugiam em salas de cinema vazias. Ou preferem se esconder debaixo da cama, ao lado do bicho-papão. Outros confessam sua culpa em altos brados, fazendo de penico os ouvidos de infelizes garçons. Há aqueles que negam, veementemente, participação no crime, e buscam por novas vítimas em salas de chat ou pistas de danceteria, sem dor ou remorso. Os mais periculosos aproveitam sua experiência de criminosos para escrever livros de auto-ajuda com nomes paradoxais como O Amor Inteligente ou romances açucarados de banca de jornal, do tipo A Paixão Tem Olhos Azuis, difundindo ao mundo ilusões fatais aos corações sem cicatrizes.
Existem os amores que clamam por um tiro de misericórdia: corcéis feridos.
Existem os amores-zumbis, aqueles que se recusam a admitir que morreram. São capazes de perdurar anos, mortos-vivos sobre a Terra teimando em resistir à base de camas separadas, beijos burocráticos, sexo sem tesão. Estes não querem ser sacrificados, e, à semelhança dos zumbis hollywoodianos, também se alimentam de cérebros humanos, definhando paulatinamente até se tornarem laranjas chupadas.
Existem os amores-vegetais, aqueles que vivem em permanente estado de letargia, comuns principalmente entre os amantes platônicos que recordarão até o fim de seus dias o sorriso daquela ruivinha da 4ª série, ou entre fãs que ainda suspiram em frente a um pôster do Elvis Presley (e, pior, da fase havaiana). Mas titubeio em dizer que isso possa ser classificado como amor (bah, isso não é amor; amor vivido só do pescoço pra cima não é amor).
Existem, por fim, os amores-fênix. Aqueles que, apesar da luta diária pela sobrevivência, das contas a pagar, da paixão que escasseia com o decorrer dos anos, da TV ligada na mesa-redonda ao final do domingo, das calcinhas penduradas no chuveiro e das brigas que não levam a nada, ressuscitam das cinzas a cada fim de dia e perduram - teimosos, e belos, e cegos, e intensos. Mas estes são raríssimos, e há quem duvide de sua existência. Alguns os chamam de amores-unicórnio, porque são de uma beleza tão pura e rara que jamais poderiam ter existido, a não ser como lendas. Mas não quero acreditar nisso.
Um dia vou colocar um anúncio, bem espalhafatoso, no jornal.
PROCURA-SE: AMOR-FÊNIX(oferece-se generosa recompensa)

Ditabranda onde, cara pálida?

Nos últimos meses acompanhei a repercussão que teve a utilização do termo "ditabranda", em editorial do jornal Folha de SP, se referindo ao período da ditadura militar que se instalou em nosso país a partir de meados dos anos 60. O jornal se desculpou mas insistiu em argumentações rasas para justificar o deslize, como por exemplo ter sido a ditadura que menos matou, se comparada ao Chile por exemplo. Pois bem, isso é fato, mas justifica nomear de branda uma ditadura que matou centenas de pessoas? Guerreiros que lutavam pelo direito de liberdade e por um país democrático, mais justo e soberano devem ser respeitados em qualquer momento de nossa história. E não devemos analisar esse triste período só pelo número de mortos.
Bueno, faço essa postagem pois nesta mesma data a 37 anos atrás bravos guerrilheiros iniciavam uma batalha contra a ditadura na região sul do Pará; a Guerrilha do Araguaia.
Meus camaradas, nossa luta continua...
Aproveitando essa data, clamo para que nossos governantes não continue negando ao povo o direito de conhecer sua história. É urgente e necessário abrir os arquivos da ditadura. Para honrar nossos bravos guerrilheiros, pra que facilite a busca pelos corpos e para que pasquim nenhum chame de brando um regime truculento que manchou de sangue as páginas da nossa história.

Tarda, tarda mas não falha. Aqui está presente a juventude do Araguaia!!!

sábado, 11 de abril de 2009

MARAVILHOSO ! ! !

video

Ver esse vídeo enche minha alma de alegria...

Vídeo da canção que inspirou o nome deste espaço!!!

O olhar e o pensamento

Já disseram que o olhar é a janela da alma. Através de um olhar podemos expressar muitos sentimentos; alegria, amor, raiva, insatisfação, cobiça. Enfim, um simples olhar substitui as palavras.
Mas muitas vezes ele nos trai, não queremos mas é invevitável. Aquela raiva salta aos olhos...
Pensando e conversando sobre os olhares indevidos, comecei a pensar sobre o pensamento.
É o bem humano mais precioso, nele ninguém entra sem ser convidado. Pode-se pensar na praia com a pessoa amada em uma reunião mega séria. E ninguém vai nem desconfiar. Podemos pensar em quanta baboseira essa pessoa está falando e fazer cara de que concordamos com tudo.
Isso demosntra bem como ninguém pode controlar ninguém, porque o pensamento é livre!!! E pode voar alto. Desejo que sempre voe...

Do you wanna dance


Dançar é um dos poucos momentos que consigo não pensar em nada. É meu momento de paz e reencontro com meu corpo. Diante da loucura diária esqueço que o corpo é uma máquina e como tal necessita cuidados... Bora dançar???

sexta-feira, 10 de abril de 2009

O avesso do avesso do avesso

Amor... Palavrinha pequena e imensa no significado!!!
Tenho pensado muito nesse fantástico sentimento. Contradição pura é o amor, nos faz feliz e com a mesma intensidade nos fazer chorar, sentir um aperto no coração. Irradia nossa vida de alegria mas também de medos...
Mas quem disse que as contradições não devem ser vividas e respeitadas? Eu escolho viver, repeitar e enfrentá-las.
E sobre a contradição de amar, vale a pena arriscar...

Redescobrindo...

Acho importante registrar aqui a letra da música que inspirou o nome desse blog. Eu adoro...
Conheci essa música em 1997, um dia antes de conhecer a ilha do Fidel, num show do Milton Nascimento. Um show espetacular, chamava "Tambores de Minas". Aff, deu uma saudade de 12 anos atrás...
Mas vamos ao que interessa, a letra da música... O compositor é o grande Gonzaguinha, mas quem interpretou de forma brilhante foi a Elis.

REDESCOBRIR
Como se fora brincadeira de roda (memória)
Vai o bicho-homem fruto da semente (memória)
Renascer da própria força, própria luz e fé (memória)
Entender que tudo é nosso, sempre esteve em nós (história)
Somos a semente, ato, mente e voz (magia)
Não tenha medo meu menino povo (memória)
Tudo principia na própria pessoa (beleza)
Vai como a criança que não teme o tempo (mistério)
Amor a se fazer é tão prazer que é como fosse dor (magia)
Como se fora brincadeira de roda (memória)
Jogo do trabalho na dança das mãos (macias)
O suor dos corpos na canção da vida (história)
O suor da vida no calor de irmãos (magia)
Como um animal que sabe da floresta (perigosa)
Redescobrir o sal que está na própria pele (macia)
Redescobrir o doce no lamber das línguas (macias)
Redescobrir o gosto e o sabor da festa (magia)
Vai o bicho homem fruto da semente (memória)
Renascer da própria força, própria luz e fé (memória)
Entender que tudo é nosso, sempre esteve em nós (história)
Somos a semente, ato, mente e voz (magia)
Não tenha medo, meu menino bobo (memória)
Tudo principia na própria pessoa (beleza)
Vai como a criança que não teme o tempo (mistério)
Amor se fazer é tão prazer que é como se fosse dor (magia)
Como se fora brincadeira de roda (memória)
Jogo do trabalho na dança das mãos (macias)
O suor dos corpos na canção da vida (história)
O suor da vida no calor de irmãos (magia)...