domingo, 26 de julho de 2009

A Rosa e o meu projeto de vida...

Esse foi um final de semana musical, aproveitei pra escutar cds antigos e procurar algumas músicas na net.
Aqui em casa o ato de ouvir música sempre foi muito interessante. Normalmente as pessoas escutam música quando estão fazendo alguma outra coisa: limpando casa, conversando com amigos, escrevendo, cozinhando, etc...
Até fazemos isso, mas gostamos mesmo é de sentar no sofá, botar o vinil, CD e agora DVD e ficar ouvindo e sentindo a música. Aprendi isso com meu pai, e até nosso antigo cachorro, o Rei, deitava no tapete e ficava curtindo nos dias de música.
Esse domingo foi assim, não tenho mais o Rei, meu pai não mora comigo mas o costume permanece. Ouvir música sem fazer mais nada. Dia de música e ponto!!!


E lá vai uma belíssima do Chico Buarque, na verdade o vídeo tem duas belas canções do Chico, o Samba do Grande Amor, "... Hoje eu tenho apenas uma pedra em meu peito, exijo respeito não sou mais um sonhador..." e A Rosa. Chico e Djavam comandam muito!!!




Arrasa o meu projeto de vida
Querida, estrela do meu caminho
Espinho cravado em minha garganta
Garganta
A santa às vezes troca meu nome
E some

E some nas altas da madrugada
Coitada, trabalha de plantonista
Artista, é doida pela Portela
Ói ela
Ói ela, vestida de verde e rosa

A Rosa garante que é sempre minha
Quietinha, saiu pra comprar cigarro
Que sarro, trouxe umas coisas do Norte
Que sorte
Que sorte, voltou toda sorridente

Demente, inventa cada carícia
Egípcia, me encontra e me vira a cara
Odara, gravou meu nome na blusa
Abusa, me acusa
Revista os bolsos da calça

A falsa limpou a minha carteira
Maneira, pagou a nossa despesa
Beleza, na hora do bom me deixa, se queixa
A gueixa
Que coisa mais amorosa
A Rosa

Ah, Rosa, e o meu projeto de vida?
Bandida, cadê minha estrela guia
Vadia, me esquece na noite escura
Mas jura
Me jura que um dia volta pra casa

Arrasa o meu projeto de vida
Querida, estrela do meu caminho
Espinho cravado em minha garganta
Garganta
A santa às vezes me chama Alberto
Alberto

Decerto sonhou com alguma novela
Penélope, espera por mim bordando
Suando, ficou de cama com febre
Que febre
A lebre, como é que ela é tão fogosa
A Rosa

A Rosa jurou seu amor eterno
Meu terno ficou na tinturaria
Um dia me trouxe uma roupa justa
Me gusta, me gusta
Cismou de dançar um tango

Meu rango sumiu lá da geladeira
Caseira, seu molho é uma maravilha
Que filha, visita a família em Sampa
Às pampa, às pampa
Voltou toda descascada

A fada, acaba com a minha lira
A gira, esgota a minha laringe
Esfinge, devora a minha pessoa
À toa, a boa
Que coisa mais saborosa
A Rosa

Ah, Rosa, e o meu projeto de vida?
Bandida, cadê minha estrela guia?
Vadia, me esquece na noite escura
Mas jura
Me jura que um dia volta pra casa



2 comentários:

Gizelma disse...

Vc me fez lembrar de velhos tempos no “Barracão”... Deu saudade!!!
Eu convidava vários cantores e dava uma verdadeira festa por lá... aí, era só no miudinho... (rs) o som rolava solto e alto, e na verdade acho que até os vizinhos se deliciavam com boa música, viu?! Quando ensaiávamos então (para decorar a letra) repetíamos inúmeras vezes...
Carinhosamente Djavan fazia questão de se fazer presente nos eventos(rs), assim como nunca faltava o Jorge Aragão e o Zeca Pagodinho...
Ah!!! O bom e velho Chico Buarque, meu querido Caetano, Rita Lee, Vinicius e mais alguns que fazem a MPB, também estavam lá!
Diogo Nogueira, Simone, Cássia Eller, Titãs, Engenheiros, Capital, Legião, Ivete, Margareth Menezes, Olodum... entre outros... Um dia vou organizar mais um evento e te convido tá!? Mas não conte pra ninguem não! Será nós duas e "Eles - os convidados" ...
rsrsrs...
Beijos, Gisa.

Valéria Leão disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk
Eu to dentro!!! Levo a cerveja!!! E gelada!!!